Over 10 years we help companies reach their financial and branding goals. Maxbizz is a values-driven consulting agency dedicated.

Gallery

Contact

+1-800-456-478-23

411 University St, Seattle

maxbizz@mail.com

Redução do uso de antimicrobianos: quais são as alternativas do produtor?

Redução do uso de antimicrobianos: quais são as alternativas do produtor?

A redução do uso de antimicrobianos na produção animal tem sido cada vez mais exigida ao redor do mundo. O produtor deve se preparar, buscando alternativas que garantam a saúde e integridade intestinal na produção de carnes, ovos, leite e derivados.

A ameaça da Resistência Antimicrobiana

Segundo a OMS, a Resistência Antimicrobiana (RAM) constitui uma significativa ameaça global, pois afeta a vida dos seres humanos, animais e plantas. Ela torna os tratamentos antimicrobianos menos eficazes, aumentando o risco de infecções persistentes e graves. Em 2019, a entidade estimou que quase 5 milhões de mortes foram relacionadas à RAM, sendo 1,27 milhão diretamente atribuídas a ela.

A principal causa da RAM é o uso indiscriminado de antimicrobianos, tanto na medicina humana quanto na veterinária. Entretanto, a produção animal tem exercido um impacto maior nesta problemática.

Uso de antimicrobianos na produção animal

O uso responsável de antimicrobianos (ATM) em animais de produção é de fato importante no tratamento específico das infecções. Entretanto, estes medicamentos têm sido cada vez mais amplamente utilizados de forma preventiva ou não-terapêutica. Atualmente na produção animal são conhecidas três formas principais de aplicação de ATM:

Profilaxia: No intuito de evitar o surgimento de doenças em rebanhos, antes mesmo de apresentarem sinais clínicos, os antimicrobianos são aplicados por um curto período em animais saudáveis confinados que estejam sujeitos a situações específicas e potencialmente estressantes, como o desmame, mudanças no ambiente ou práticas de manejo.

Metafilaxia: Administração de antimicrobianos em grupos de animais doentes e todos os seus contatos (animais próximos, saudáveis, porém possivelmente infectados) no intuito de tratar e conter a doença.

Aditivos Melhoradores de Desempenho: Os antimicrobianos também são empregados de forma não-terapêutica, por apresentarem resultados positivos no desempenho zootécnico dos animais.

Confira também a entrevista da DBO Play onde Marcos Nascimento, Coordenador Técnico Global da Aleris Nutrition, explica sobre o impacto do uso de antimicrobianos na produção animal.

O impacto da produção animal na Resistência Antimicrobiana

É comprovado em literatura que a RAM desenvolvida através do uso rotineiro de antimicrobianos na pecuária, além de contribuir com o surgimento de infecções cada vez mais persistentes e graves nos animais, pode deixar resíduos nos produtos de origem animal, sendo transferida para plantas e humanos.

Além do contato direto com os animais, o consumo de produtos de origem animal contaminados (carnes, ovos, leite e derivados) pode também causar transferência da RAM aos humanos. 

A adubação de plantas com esterco contaminado por genes de resistência pode ser responsável por transferir a RAM à natureza. Como consequência, o consumo destas plantas também pode ocasionar a transferência para humanos.

Evolução da mobilização mundial frente à Resistência Antimicrobiana

Ao longo dos anos, este desafio tem provocado cada vez mais debates e influenciado a opinião pública, permitindo que governos de diferentes países fortaleçam suas políticas com regras criteriosas sobre o uso de antibióticos na produção animal. 

O avanço mais recente no tema foi na União Europeia, com a criação das normas Regulamento (UE) 2019/61 sobre medicamentos veterinários[i] e Regulamento (UE) 2019/4 sobre alimentos medicamentosos para animais – determinando que apenas animais doentes ou pequenos grupos com alto risco de surto podem receber a prescrição de antibióticos. Passa a ser ilegal usar antimicrobianos de forma profilática, seja para prevenir doenças ou para compensar ou mascarar baixos níveis de bem-estar que resultam em baixo desempenho do rebanho. Esta decisão pode impactar os produtores brasileiros que exportam produtos de origem animal para a UE.

Evolução das normas sobre antimicrobianos no Brasil

Nas últimas décadas, a lista de antimicrobianos autorizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) tem sofrido uma série de limitações de acordo com a avaliação de risco à saúde animal, humana e do meio-ambiente.

Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumospecuarios/arquivos-de-insumos-pecuarios/Substnciasproibidas20.02.2020.pdf

“Com o movimento da Europa em 2006, que baniu o uso de antimicrobianos melhoradores de desempenho (AMD) na alimentação animal (Castanon, 2007), uma crescente pressão social e comercial tem demandado regulamentações mais robustas. Garantir a máxima produtividade dos animais é essencial para a competitividade da indústria pecuária, permitindo que o sistema opere tanto do ponto de vista econômico quanto sustentável. Portanto, a busca por novas abordagens nutricionais tem sido cada vez mais encorajada a fim de substituir os antimicrobianos nas rações (Ricke, 2018), uma vez que os animais continuam expostos naturalmente a patógenos do ambiente que podem ser nocivos, prejudicando o seu desempenho.”

Marcos Nascimento, Coordenador Técnico Global de Avicultura e Suinocultura
Marcos Nascimento, Coordenador Técnico Global de Avicultura e Suinocultura da Aleris Nutrition

Mais recentemente no Brasil, a Portaria nº 798 que entrou em vigor em junho de 2023 trouxe as regras atualizadas para a fabricação e emprego de produtos destinados à alimentação animal com medicamentos de uso veterinário. Confira as principais mudanças que impactaram a pecuária brasileira:

Alternativa sustentável para os produtores

Os aditivos zootécnicos equilibradores da microbiota intestinal, como por exemplo os prebióticos, têm se revelado uma alternativa natural promissora e funcional nos sistemas de produção animal, assim como potenciais substitutos aos AMD, pois possuem propriedades benéficas similares que atuam na melhora do desempenho e saúde para máxima eficiência produtiva.

“A Aleris Animal Nutrition é uma empresa conectada e comprometida com o pacto global aprovado em 2015, que visa estabelecer ações globais frente à propagação da resistência ao uso de antimicrobianos em todo o mundo”, afirma o CEO da Aleris Animal Nutrition, Daniel Nazarian de Morais.

Daniel Nazarian de Morais, CEO Aleris

Para lidar com essas tendências, a Aleris tem investido em aditivos nutricionais à base de leveduras, tecnologias comprovadas por diversos estudos que têm contribuído para a modulação da microbiota animal e para a melhoria da saúde intestinal, maximizando os resultados produtivos e financeiros de forma sustentável.

Sobre a Aleris – Fundada em 2012, a Aleris é uma empresa nacional especializada em nutrição animal, comprometida em oferecer soluções naturais para a máxima performance e saúde animal multiespécie. Atualmente, a empresa conta com uma operação global, exportando produtos para 32 países, possui mais de 50 colaboradores diretos, além de subsidiárias nos Estados Unidos, México e Portugal.

Acesse: www.alerisnutrition.com

Author

Aleris Nutrition

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *